Siga-nos

Marcos Ortiz

Opinião: Pro baile da Série B, com que roupa que eu vou?

Publicado

em

Foto: Rodrigo Villalba.

O Bugre estreou na Série B com derrota lá em Fortaleza e foi bem diferente do que nos acostumamos a ver durante a recém encantadora e de tanto sucesso campanha na Série A2. A Torcida Bugrina estava em êxtase absoluto e encantada com um time que, depois de muitos anos voltou a jogar do “jeito Guarani”, um futebol bonito, com foco no ataque superando os sistemas e esquemas defensivos, o gostoso toma mas faz.

Umberto acertou a mão, acertou o time e nós fomos junto, criando identidade e identificação com cada um daqueles atletas que estava fazendo dentro do campo aquilo que a gente mais gosta, ganhando, muitas vezes com sobras.

Resultado, acesso, título e sorriso no rosto do Torcedor Bugrino que recentemente só conhecia coisas ruins e agora finalmente conseguiu se ver representado dentro de campo, mas muitos de nós não havia ainda parado pra pensar no “preço do sucesso”. É isso, não eram só os olhos dos Bugrinos que estavam voltados ao Guarani e ao seu time encaixado, o mundo do futebol também estava, e hoje a maior carência dos chamados times grandes é exatamente por aquilo que o Bugre fez, o jogo e as peças ofensivas.

O assédio veio pesado e muito provavelmente vai nos levar alguns jogadores que foram importantíssimos naquele enredo vencedor que é tão recente aos nossos olhos. Bruno Nazário dificilmente permanecerá no Brinco, até acredito que se o assédio tivesse vindo do Atlético-PR sua decisão seria permanecer, mas veio de outro lado, veio do Corinthians onde o novo presidente promete anuncia-lo como reforço nos próximos dias. Mas esse não é o único risco, a principal carência por lá é o famoso camisa 9, nós temos um camisa 9 que ainda é jovem, tem um potencial de crescimento e amadurecimento incrível e reencontrou mais uma vez com a camisa Bugrina a alegria de jogar futebol, sim, é Bruno Mendes.

Alias a primeira conversa que se ouviu nos bastidores era sobre Bruno Mendes, depois veio o assédio também por Nazário, mas primeiro se falou sobre o nosso 9. São outros tempos no futebol, já se vão longe as décadas de 70, 80 e até um pouquinho dos anos 90 quando os clubes, principalmente os do interior, conseguiam montar seus times base apostar neles e segurar seus principais destaques por duas ou três temporada. Hoje não conseguimos segurar talvez nem por dois campeonatos, infelizmente.

A pergunta que me fiz depois do jogo de Fortaleza é simples, qual será o time à disposição de Umberto Louzer que nesta primeira partida teve que recorrer a tudo o que tinha nas mãos e foi lá pra Fortaleza esperando voltar ao menos com um ponto. Ele teria conseguido, apesar de jogando diferente, faltou muito pouco pra Umberto voltar com o empate, faltou o juiz encerrar o jogo naquele lance do Jussani e ai fica uma constatação que todos nós sabemos, mas que também tem que ser dita, a Série B é infinitamente superior à Série A2, pois na campanha do título o Bugre fez diversas faltas parecidas com aquela que resultou no gol do adversário, a diferença estava no nível dos cobradores.

Também temos que reconhecer que a estreia na Série B foi superior à estreia na Série A2 quando o Guarani jogou absolutamente nada em Barueri, contra um adversário que também não jogou nada e ganhou o jogo numa bola só. Desta vez o Bugre conseguiu levar sua proposta pro jogo, brigou, se defendeu, reagiu e até poderia ter vencido, mas ao se deparar com a dúvida entre tentar matar o jogo e segurar oque já tinha, fez a segunda opção. Não, a gente não sabe o que aconteceria se o Bugre atacasse o Fortaleza nos minutos finais, mas a gente sabe o que aconteceu ao abrir mão de atacar e tentar segurar o empate.

Isso não é crítica, é observação, e agora vamos falar do lado bom da coisa. Se corre o risco de perder dois dos seu “quarteto mágico”, a reposição já foi feita com as chegadas de Guilherme e Anselmo Ramon, dois jogadores de qualidade e que podem acrescentar bastante ao Guarani. Se conseguir segurar Bruno Mendes, muito melhor pois o menino está em ponto de bala, se recuperou fisicamente, cresceu tecnicamente e depois de muitos anos tem de volta o tal do ritmo de jogo, se não conseguir vamos ter que ter a mesma paciência com Anselmo Ramon até que ele se recupere, adquira ritmo de jogo e nos dê alegrias, mas lembrem-se, o sucesso na Série B vai fazer muito mais gente além de nós Bugrinos ficar de olho no nosso Guarani, tomara que ninguém venha, se recupere e pule pra outros degraus vítima de assédios da Série A.

Eu odeio esse “novo futebol” tanto quanto vocês, mas não conseguimos fugir dele.

Se conseguir definir a chegada de Rafael Longuine o Guarani dará mais um grande salto na composição do seu elenco, terá um meia com as mesmas características de Bruno Nazário e caberá a nós darmos a ele condições de reencontrar seu bom futebol por aqui, o elenco estará recomposto.

Sim, tem mais gente pra chegar, o atacante Bruno Xavier é dado como certo e é mais um bom nome, mais um camisa 9 pra uma competição de 38,onde agora restam 37 rodadas.

Acredito que o único risco de nova perda no elenco seja o zagueiro Fernando Lombardi e se isso acontecer o Bugre terá que buscar outro jogador porque tanto Philipe Maia quanto Edson Silva jogam pelo lado esquerdo.

Enfim, passadas algumas horas e uma noite de sono, a estreia do Bugre veio com derrota, veio com o time jogando diferente do que nos acostumamos a ver, mas talvez deva ser tratada como uma derrota numa campanha que pode se tornar vitoriosa, resta saber qual serão time que Umberto terá à sua disposição, porque no papel, ainda que com a zaga não tão formada assim, o time não muda suas características, senão vejamos uma provável escalação:

Bruno Brígido; Lenon, Edson Silva (Fernando Lombardi), Philipe Maia (Edson Silva) e Marcílio; Baraka, Ricardinho, Rondinelly (Guilherme) e Rafael Longuine; Caíque (Erik) e Anselmo Ramon (Bruno Xavier). Se Bruno Mendes ficar será melhor ainda, e se eu pudesse dar um conselho a ele seria para permanecer e não repetir o mesmo erro cometido na sua carreira em 2012. Mais uma temporada completa de Guarani poderá levá-lo a um outro patamar na carreira, e se permanecer poderá até continuar no Guarani que poderá estar num outro patamar no cenário do futebol brasileiro, uma mão lavará a outra.

Entrosamento, ritmo de jogo e futebol ofensivo dependem de sequência de jogos, nós já sabíamos, mas comprovamos isso na Série A2 e agora vamos remar tudo de novo Umberto, mantenha suas convicções, a Torcida estará outra vez com você e com o time que jogar do “jeito Guarani” de jogar.

Agora vem o Sampaio Corrêa no Brinco, vamos repetir a receita da A2 com estreia difícil e improvisada fora de casa e vitória em casa na rodada seguinte mostrando que o caminho pode ser diferente?

Semana que vem saberemos e durante esta semana praticamente todas as dúvidas que temos nesta coluna estarão resolvidas e respondidas, mas uma coisa não pode mudar, mesmo sendo apenas a segunda rodada de longas 38,é jogo em casa e a presença de público não pode cair porque são 18 decisões aqui e restam 17 fora. Três pontos nesta rodada terão os mesmos três pontos conquistados na reta final da Série B quando o Bugre dependerá deles pra buscar seu objetivo na competição, seja ele qual for naquele momento.

Vamos lá buscar? Vamos precisar, não vai ser fácil!

A gente se vê!

 

Marcos Ortiz

Gols – Guarani 2×0 Sampaio Corrêa


	
	
	

Clique para ativar o som

Próxima partida

Campeonato Brasileiro - Série B

Guarani FC X aapp

Campeonato Brasileiro - Série B

Local: Brinco de Ouro da Princesa
Data: 21/04/2018
Horário: 16:30

 

O Derbi

Guarani FC X aapp

Campeonato Brasileiro - Série B

Local: Brinco de Ouro da Princesa
Data: 05/05/2018
Horário: 19:00

Jogos e Resultados

Facebook

Copyright © Planeta Guarani - Todos os Direitos Reservados - Permitida Divulgação Apenas com Preservação da Fonte - Desenvolvido por: OZ Sites.