Pompeo de Vito - Fundador do Guarani Futebol Clube em 02/04/1911.
Pompeo de Vito – Fundador do Guarani Futebol Clube em 02/04/1911.

Seguimos caminho pela trilha dos doze guerreiros, e em uma das convocações que fizemos em busca destas famílias, tivemos o enorme prazer de encontrarmos com uma jovem, muito simpática e completamente apaixonada pelo GUARANI. Uma jovem que hoje, apenas aos 16 anos manifestou um amor incalculável e indescritível ao GUARANI FUTEBOL CLUBE.

Seu nome: Isabella de Vito Ribeiro Bernardino, filha de Maria de Fátima Vito Ribeiro Bernardino, que nos levaram até a encantadora Senhora Terezinha de Jesus Vito Ribeiro, hoje aos 78 anos de idade, mas de uma lucidez e uma memória sensacionais.
Participou também deste levantamento de resgate histórico, o Senhor José Alicio de Vito Ribeiro, tio de Isabella de Vito.

Terezinha é filha de Vitor de Vito, o Formiga, irmão de Pompeo e Romeu de Vito, que quando da fundação do GUARANI era ainda uma criança, mas que, mais tarde vestiu o manto sagrado alvi-verde na década de 1920, jogando como atacante e com certeza deu muitas alegrias a TORCIDA BUGRINA na sua época.

Às Senhoras Terezinha de Jesus Vito Ribeiro e Maria de Fátima Vito Ribeiro Bernardino, a encantadora Senhorita Isabella de Vito Ribeiro Bernardino, e ao Senhor José Alicio de Vito Ribeiro, que abriram os baús de suas memórias para dividi-las conosco, fica aqui registrado os nossos mais sinceros agradecimentos por nos permitirem poder apresentar este personagem fundamental para a existência do GUARANI FUTEBOL CLUBE.

Seu nome? Pompeo de Vito!

A Sr.a. Terezinha é sobrinha de Pompeo de Vito, fundador e primeiro tesoureiro da história do GUARANI FUTEBOL CLUBE, e estas são as lembranças e histórias que agora, está família divide com todos os corações pulsados pelo sangue verde chamados de BUGRINOS.

É com enorme prazer que apresentamos a todos vocês, o Senhor Pompeo de Vito!

Marcos Ortiz– Gostaria que nos apresentasse Pompeo de Vito, como era fisicamente e no convívio pessoal e intimo com seus familiares?

Terezinha Vito – Tio Pompeo era moreno, alto, magro, com os olhos verdes e cabelos sempre curtos e muito bem arrumados. Ele era um homem muito educado, calmo, simples e muito inteligente. Sempre foi muito querido pelas pessoas que o conheceram.

Marcos Ortiz– Qual era a profissão dele?

Terezinha Vito – Quando da fundação do GUARANI, Tio Pompeo era barbeiro, e trabalhava ali na Rua Sacramento, próximo a Av Bernardino de Campos, depois, fez carreira na Gessy em Valinhos, onde se aposentou como um dos diretores da empresa.

Marcos Ortiz– Sr.a. Terezinha, a Senhora pode nos ajudar a esclarecer a informação sobre a reunião de fundação ter ocorrido em qualquer outro lugar que não a conhecida Praça Carlos Gomes?

Terezinha Vito – Eu sempre ouvi a historia contada por meus tios dizendo que a reunião aconteceu no Jardim Carlos Gomes, não posso afirmar nada, mas até onde vão minhas lembranças, isso é o que eles nos contavam. Acredito que não seria possível que ela tivesse ocorrido em outro local, afinal, eram dois os tios que nos contavam esta historia, Tio Pompeo e Tio Romeu.

Marcos Ortiz– Seu pai jogou no GUARANI, o que a Senhora poderia nos contar sobre essa época?

Terezinha Vito – Na verdade, eu não posso falar muito sobre isso por que meu pai parou de jogar no GUARANI exatamente quando eu nasci, em 1928, atendendo a um pedido de minha mãe. Lembro-me apenas das suas historias e das coisas que ele nos contava sobre esse período. Inclusive posso lhe dizer que fui uma das primeiras mascotes a entrar em campo com o time do GUARANI.

Marcos Ortiz– Em que época isso aconteceu?

Terezinha Vito – Isso foi no começo dos anos trinta, eu era muito criança ainda, tinha dois ou três anos apenas. Um fato que me lembro bem é que depois de eu entrar com o time, me levavam até a casa do caseiro que tinha lá, onde eu dormia ate o jogo acabar. Mas me lembro muito bem da roupa que eu usava, por que ela esteve guardada por muito tempo em nossa casa. Quando o time ia de branco, era uma saia pregueada branca, uma blusa branca e um gorro branco, só com o emblema verde do GUARANI, já quando o time ia de verde a blusa e o gorro também eram verdes.

Marcos Ortiz– A senhora então, teve o privilegio de acompanhar o GUARANI bem de perto na sua época. Como se sentia aquela criança de coração verde chamada Terezinha?

Terezinha Vito – Eu me lembro que, como criança, algumas vezes eu não queria entrar, mas meu pai sempre fez questão de me levar e se emocionava muito com isso. Eu era uma criança, nem tinha noção do que aquilo significava para ele e para meus tios.

Marcos Ortiz – A Senhora disse que seu pai era irmão do Sr. Pompeo. Por que então, ele não esteve na reunião que originou a fundação do GUARANI?

Terezinha Vito – Meus tios não deixaram papai ir até a reunião por que ele era muito criança ainda. Papai tinha apenas cerca de 12 anos naquela época, e assim, não pode estar com eles, pois todos o julgavam muito jovem para isso.

Marcos Ortiz– Qual foi a reação e a atitude da família de Vito quando souberam da decisão de fundar o GUARANI FUTEBOL CLUBE?

Terezinha Vito – Não houve nenhuma oposição grande ao fato. A maioria da família apoiou a atitude. Eles apenas achavam aquela uma historia muito faraônica.
Mas creio que a maior prova que a família pode dar, foi ceder a própria casa para que eles pudessem organizar algumas reuniões. Todos acabaram, de uma certa maneira, se engajando ao sonho chamado GUARANI, e, da maneira que puderam, ajudaram a construir este sonho.

Marcos Ortiz– Nós sabemos que, a principio, não havia um uniforme propriamente dito, confeccionado especificamente para o GUARANI, como foi que conseguiram estes uniformes num segundo momento?

Terezinha Vito – Eles realmente tiveram uma certa dificuldade para conseguirem os primeiros uniformes, mas com a união e esforço de todos, foram compra-los em São Paulo, e se orgulhavam muito deste feito, que foi uma verdadeira conquista para a época.

Marcos Ortiz– O Senhor Pompeo continuou trabalhando pelo GUARANI por muito tempo depois da fundação?

Terezinha Vito – Tio Pompeo continuou trabalhando pelo clube até que o time se tornasse profissional, durante a época amadora do GUARANI. Depois disso, ele se afastou um pouco do GUARANI.

Marcos Ortiz– Alem de Romeu de Vito, que era seu irmão, o Sr. Pompeo era mais ligado a algum dos outros fundadores?

Terezinha Vito – Tio Pompeo sempre teve um carinho e uma amizade especial por Vicenzo (Vicente) Matallo, eles eram muito amigos, e esta amizade persistiu ao decorrer dos anos. Mas acho importante afirmar que todos os doze fundadores eram muito amigos e a um iaô entre eles sempre foi muito grande naqueles primeiros momentos.

Marcos Ortiz– Gostaríamos de saber qual foi o comportamento do Senhor Pompeo quando o GUARANI se transformou em Campeão Brasileiro, existiria alguma lembrança deste dia que pudesse dividir conosco? (neste momento, quem responde a questão é o Sr. José Alicio de Vito Riberio)

José Alicio – Meu tio não era um torcedor fanático como muitos poderiam imaginar. Ele deixou de acompanhar o GUARANI durante muito tempo.

Me lembro inclusive, que no jogo final contra o Palmeiras, no dia 13 de Agosto de 1978, ele sequer foi ao estádio, não ouviu nem assistiu ao jogo pela TV. Ele ficou sabendo do resultado apenas quando minha avó ligou para ele e disse que o GUARANI havia vencido.

Marcos Ortiz– E qual foi a reação do Sr. Pompeo ao saber da conquista?

José Alicio – Ele manteve-se muito calmo, disse estar feliz pela noticia, mas conservou-se tranqüilo com o feito.

Marcos Ortiz– Existe alguma outra informação que possa ser dividida com a TORCIDA BUGRINA sobre a fundação do GUARANI?

José Alicio – Eu gostaria de trazer a todos a informação que na verdade, o grande motivo, alem da vontade que todos tinham de praticar futebol, foi o fato de não simpatizarem muito com o outro time chamado aapp… Mas eles queriam muito que os campineiros tivessem uma outra opção para que estes todos que não simpatizassem com este time ou qualquer outro existente na cidade, não acabassem torcendo por algum dos times da Capital, como todos viam que vinha acontecendo. Queria inclusive fazer um comentário sobre a escolha das cores do time, se é que me permitem faze-lo.

Marcos Ortiz– Sinta-se a vontade, nós estamos aqui exatamente para trazer as historias que a historia do GUARANI não conta.

José Alicio – Acontece que, a principio, segundo eles nos contavam, a idéia deles era ter no GUARANI as cores da bandeira da Itália, ou seja, verde, vermelho e branco, mas eles acharam que isto não teria muito a ver com o Brasil, ai, acabaram tirando o vermelho, e argumentaram que estas seriam as cores em razão do lindo dia de sol (branco) e do gramado que os cercava (verde), mas de uma certa forma, foi uma maneira que encontraram de homenagear a Pátria de alguns e origem de quase todos, a Itália, que tinha representada duas de suas cores na bandeira do GUARANI.

Marcos Ortiz– O senhor falou em não terem eles simpatia pelo outro time da cidade, isto quer dizer que desde a origem, já existia uma certa rivalidade entre GUARANI e este time?

José Alicio – De maneira alguma. Quero inclusive tornar publico a todos, que existia uma grande amizade entre todos os fundadores do GUARANI e o Sr. Moises Lucarelli. Este inclusive, freqüentava a casa de Tio Pompeo constantemente, e eles conversavam muito e sempre agiram amistosamente. A fundação não se deu por rivalidade, deu-se sim, por eles quererem jogar futebol e não nutrirem uma grande simpatia pela aapp.., mas todos eram muito amigos.

Marcos Ortiz– Quer dizer que existia uma amizade entre GUARANI e A.A.P.P. naquele primeiro momento?

José Alicio – A amizade não existia entre os clubes ou entre os times, existia sim, entre os doze fundadores e o Sr. Moises Lucarelli. Estes,eram amigos e sempre que podiam, conversavam, reunião- se e confraternizavam-se amistosamente.

Marcos Ortiz– O Sr. Pompeo casou-se, constituiu família?

José Alicio – Tio Pompeo casou-se sim, inclusive teve três filhas e formou uma linda família.

Marcos Ortiz– Quando se deu o falecimento do Sr. Pompeo de Vito?

José Alicio – Tio Pompeo faleceu em meados de 1984.

Marcos Ortiz– E como se deu seu falecimento, nós sempre ouvimos dizer que ele morrera atropelado. O senhor pode nos dar mais detalhes sobre este fato?

José Alicio – Posso sim, alias, é um fato que eu gostaria muito de esclarecer. Muitos dizem que ele morreu atropelado, mas esta não é a verdade.

Marcos Ortiz– E qual seria a verdade? Como aconteceu seu falecimento?

José Alicio – Tio Pompeo só usava sapatos de solados de couro, era uma preferência dele e ele se recusava a usar outro tipo de solado.
Acontece que, ele havia acabado de comprar um par de sapatos novo. Ele trabalhava após sua aposentadoria na Casa de Saúde de Campinas, como benemérito, e como fazia todos os dias, dirigia-se a pé até o hospital. Porem, as ruas próximas a Casa de Saúde eram todas calçadas de paralelepípedos, e quando Tio Pompeo foi atravessar a rua, percebeu que vinha ao seu encontro uma perua Kombi. Ele então, levou um grande susto e tentou caminhar para trás, a fim de desviar-se da tal Kombi, mas como os solados de couro eram lisos demais, ele acabou escorregando, e ao cair, bateu com a cabeça em uma das guias da calçada.

Marcos Ortiz– Então, ele faleceu em razão do impacto da cabeça com a guia?

José Alicio – O pobre do motorista que dirigia a perua, também já era idoso, e inclusive, sofreu um infarto naquele momento. Tio Pompeo teve um coagulo na cabeça, e foi para a U.T.I.
Nenhuma de suas filhas teve coragem de visita-lo no hospital, porem, eu entrei e quando meu tio acordou, ele não me reconhecia mais, inclusive, só falava em italiano. No dia seguinte, Tio Pompeo faleceu.

Amigos, neste momento, nos despedimos de Pompeo de Vito, reconhecidamente, o primeiro homem de bastidores do GUARANI no inicio de sua historia. Esperamos ter podido continuar transmitindo a todos vocês as emoções e o grande empenho destes jovens que eram doze, mas tornaram-se centenas de milhares, ou quem sabe, milhões.

Agradecemos aqui aos depoimentos de Terezinha de Jesus Vito Bernardino, José Alicio de Vito Ribeiro, e ao empenho pessoal de Maria de Fátima Vito Ribeiro Bernardino e da jovem Isabella de Vito Ribeiro Bernardino, uma jovem que, ao comemorar seus quinze anos de idade, pediu um único presente, que foi poder ir ao Brinco de Ouro da Princesa, assistir a uma das inúmeras e incontáveis partidas do GUARANI, que ela faz questão absoluta de afirmar em todos os momentos, ser o grande prazer de sua vida. Isabella inclusive, pratica futebol feminino no GUARANI, e é conhecida em Serra Negra, onde reside, como Isa Bugrina. Esta menina é a perpetuação do sobrenome de Vito na historia futura do nosso BUGRE.

Parabéns família de Vito, a família BUGRINA agradece pelas suas lembranças e pela oportunidade de nos apresentar mais um de nossos DOZE GUERREIROS.

Nos encontramos no próximo capitulo da série “OS DOZE GUERREIROS”, lembrando sempre que, agradecemos a Deus pela oportunidade de sermos os transmissores desta historia, que é, e sempre será, a historia do próprio GUARANI FUTEBOL CLUBE.

Marcos Ortiz
Planeta Guarani