Opinião: Guarani 0x0 Sport, onde foram parar os gols?

Opinião: Guarani 0x0 Sport, onde foram parar os gols?
Lance da partida entre Guarani x Sport. Foto: Lucas Almeida/Especial para o Guarani FC.
Clí­nica SOU

A segunda partida do Bugre na Série B passou, era a estreia em casa diante do seu Torcedor e o Bugrão passou em branco mais uma vez. Contra o Brusque na estreia nenhum gol marcado, contra o Sport no Brinco nenhum gol marcado, dois jogos, zero gols, um gol sofrido e um pontinho na tabela de classificação.

Nós tendemos olhar para as coisas que nos saltam aos olhos e fica evidente que o Guarani sofreu muitos gols desde o início da temporada. A bola aérea defensiva chamou muito atenção e nos custaram vários resultados positivos ao longo do Paulistão 2022, mas temos que olhar por outro lado a partir de agora.

Quando o defensor falha o erro é muito mais gritante porque ele erra quando não pode errar, erra ali na cara do gol e o time sofre gols, mas é preciso ressaltar que talvez (e eu disse talvez) o maior problema do Guarani não seja sofrer tantos gols, mas sim não marcar gols. Até aqui foram apenas 16 gols marcados na temporada, 16 gols em 17 jogos, claro, sofrendo menos gols teríamos tido menos resultados ruins, mas marcando mais gols muitos destes resultados ruins teriam sido evitados também.

Vemos num recorte mais curto que o Guarani, dos 16 gols marcados até aqui, teve apenas cinco gols marcados por seus atacantes e que apenas dois atacantes marcaram pelo Guarani até aqui: Lucão do Break (4) e Ronald (1). Além deles já entraram em campo pelo Bugre na temporada os atacantes Júlio César, Yago, Maxwell, Nícolas Careca, Lucas Venuto e Bruno José, ou seja, todos os atacantes que hoje tem à sua disposição foram utilizados por Daniel Paulista nas partidas até aqui, as exceções ficam apenas para os pratas da casa que hoje sequer fazem parte mais do elenco Renanzinho e Matheus Souza que constaram do banco de reservas no Paulistão e não receberam oportunidades.

Oito atacantes utilizados e apenas dois marcaram gols, é muito pouco. Contra o Sport vimos um time que pareceu evoluir muito na primeira etapa e desperdiçou chances claras de abrir o placar, as principais delas com Bruno José, cara a cara com o goleiro Mailson em uma finalização que resvalou no pé da trave direita e outra com Nícolas Careca numa cabeçada que encobriu o goleiro, bateu no travessão e saiu por cima do gol. Outras chances vieram, chutes de fora da área e algumas boas defesas de Mailson depois, o Torcedor Bugrino ficou com o gosto da vitória na boca.

Veio a segunda etapa e, como aconteceu na estreia em Brusque, o time caiu de produção. Ainda assim teve oportunidades, mas aí já sofreu mais com as estocadas adversárias.

Diagnósticos? Temos alguns. Os positivos são que nosso sistema defensivo parece ter melhorado muito em relação ao Paulistão, no meio de campo Leandro Vilela dará ao Guarani uma instabilidade muito maior do que a vivida no estadual e na frente Bruno José é diferente, perdeu gols sim, mas apareceu como opção quando nenhum outro atacante de velocidade do Guarani tinha aparecido até agora.

Diagnósticos negativos, temos também. Nossa defesa, apesar de ter falhado menos, ainda precisa de um pouco mais, e apesar de ter falhado como falhou na estreia, Leandro Castan será importante para o Guarani na Série B, e principalmente, nosso ataque precisa de gols.

Resta a observação final: O Guarani tem um elenco muito mais propício ao 4-4-2 do que ao 4-3-3 utilizado até aqui por Daniel Paulista, e as variações desse 4-4-2 podem dar ao Guarani mais poderio defensivo ou ofensivo. Quando precisar atacar o 4-4-2 pode ter Leandro Vilela, Rodrigo Andrade, Marcinho e Giovanni Augusto no meio de campo, e quando precisar de mais compactação defensiva o meio de campo pode ter Madson, Leandro Vilela, Rodrigo Andrade e Giovanni Augusto.

Nestas formações teremos à frente temos boas opções como Bruno José e Lucão do Break, deixando o espaço para as descidas do lateral esquerdo Matheus Pereira, que podem se alternar para Júlio César e Nícolas Careca, invertendo o lado de ataque para o esquerdo e deixando a opção do lado direito para o lateral direito Diogo Matheus (Ludke ou Lucas Ranon). Percebam que até o nível das substituições ofensivas melhoram.

Onde estão nossos gols? Sem eles não conseguiremos vitórias. Time ideal para enfrentar o Grêmio na opinião deste que vos fala: Maurício Kozlinski; Diogo Matheus, João Victor, Ronaldo Alves e Matheus Pereira; Madson, Leandro Vilela, Rodrigo Andrade e Giovani Augusto; Bruno José e Lucão do Break. Acredite Daniel Paulista, é possível.

Marcos Ortiz