Opinião: 4ª Rodada – Kozlinski dá vitória ao Bugre em atuação com a cara do treinador

Opinião: 4ª Rodada – Kozlinski dá vitória ao Bugre em atuação com a cara do treinador
Maurício Kozlinski foi o herói de vermelho no time verde e branco. Foto: Thomaz Marostegan/Guarani FC.
Clí­nica SOU

Foi apenas a quarta partida do Bugre pelo Brasileiro da Série B, mas já foi a 19ª partida do Guarani na temporada 2022 e até agora esperamos por uma coisa: EVOLUÇÃO!

Esperamos a evolução de um time baseado num elenco curto, carente, e com peças inutilizáveis ou inutilizadas, o Torcedor decide. Esperamos a evolução de um treinador que na temporada passada comandou sim o time numa quase campanha de acesso, MAS QUE FICOU NO QUASE e depois se vangloria por ter sido ELIMINADO pelo Corinthians numa partida de quarta de final do Campeonato Paulista e acumula UMA ELIMINAÇÃO PRECOCE, porem jogando em casa, na segunda fase da tão sonhada Copa do Brasil.

Ainda na primeira partida da Copa do Brasil contra o Maricá no dia 01 de março, portanto há praticamente 60 dias, fiz uma pergunta ao técnico Daniel Paulista na entrevista coletiva pós jogo, a questão era simples, o jogo foi ruim, o time sofreu pra ganhar do Maricá por 1×0 e perguntei sobre quando aconteceria a evolução da sua equipe. A resposta foi que ele não poderia dizer data e horário da evolução, mas que estava buscando isso no menor tempo possível.

Hoje e 28 de abril e pergunto novamente: Quando é que o Guarani vai evoluir sob comando de Daniel Paulista? Ou você Torcedor está satisfeito com o futebol apresentado pela equipe em toda esta temporada? Em 19 jogos são 06 vitórias, 08 derrotas e 04 empates, com 18 gols marcados e 24 gols sofridos em três competições diferentes, Paulista, Copa do Brasil e Série B.

Pois bem, na noite passada fomos ao Brinco de Ouro, poucos Torcedores nas arquibancadas, apenas 2.221 presentes. Pouco futebol, principalmente na primeira etapa e duas coisas não faltaram: Apatia e inoperância ao Bugre na primeira metade do jogo e muito sofrimento a todos os Bugrinos que acompanharam o jogo, seja no estádio, seja na TV, seja pelo rádio.

Coube a dois personagens mudarem a história do jogo, um deles eventualmente questionado por parte da Torcida, outro, sinceramente acredito até que a Torcida já tivesse se esquecido dele, o primeiro o herói do jogo, Maurício Kozlinski com suas grandes, espetaculares e salvadoras defesas impedindo o Bugre de tomar uma goleada na primeira etapa tamanha a inoperância do time Bugrino montado pelo técnico Daniel Paulista.

E eu preciso lembrar que o time trabalhado pelo treinador nos treinamentos é o time que inicia a partida, o resto, as alterações ou variações são consequência daquilo que ele DEFINIU SER O MELHOR QUE TINHA À DISPOSIÇÃO. Agora posso falar do segundo personagem citado, o quase esquecido Eduardo Person que entrou em campo na volta do intervalo e trouxe ao time Bugrino a VONTADE QUE FALTOU EM TODA A PRIMEIRA ETAPA.

Marcinhos, Vitinhos, Ronalds, Yagos, Maxweis e companhia constantemente ganham oportunidades no time de Daniel Paulista, Eduardo Person quase nunca. Foi brilhante? Não, longe disso, mas foi voluntarioso, buscou o jogo, buscou a bola e isso foi suficiente para que o Guarani conseguisse e ombrear ao Criciúma na segunda etapa.

Person não marcou o gol da vitória, não participou da jogada, não fez lances brilhantes, fez “apenas” o que ninguém fazia até então, vestiu sua camisa 8 e honrou o manto sagrado Bugrino com muito respeito e muita vontade, coisa rara no Guarani profissional de Daniel Paulista e companhia… Obrigado Person.

De resto, uma vergonha. O gol “reciclado” marcado por Diogo Matheus só serviu pra reforçar o sentimento de insatisfação do Torcedor Bugrino que para comemorar sua primeira vitória na Série B teve que sofrer muito com um tempo interminável levado pela arbitragem chamada pelo VAR para marcar o pênalti e depois viu Diogo Matheus cobrar mal mostrando o canto direito ao goleiro, pra só depois, no rebote, finalmente poder explodir. Guarani 1×0 Criciúma.

O ataque? Não marca gol faz sete jogos, só fez cinco no ano todo, a defesa perdeu 90% das bolas aéreas levantadas na grande área e o meio de campo, principalmente com Marcinho armando a equipe, não produziu absolutamente nada. Mas Daniel Paulista segue, mesmo tendo reconhecido em sua entrevista coletiva pós jogo que o time só reagiu quando contou com um terceiro volante, seguiu na sua incansável saga de irritar o Torcedor Bugrino até o final do jogo com seus improdutivos três atacantes que podem produzir muito mais se forem apenas dois, contando com um meia, no tradicional 4-4-2.

E seguimos nós esperando a evolução do time, do treinador e do futebol Bugrino em 2022. Será que até a 38ª rodada da Série B deu tempo? O Guarani vai conseguir evoluir com Daniel Paulista até fazer seu 53º jogo no ano, ou Daniel Paulista vai ter conseguido afastar ainda mais o Torcedor Bugrino do estádio com suas convicções?

Obrigado Maurício Kozlinski, HERÓI DE VERMELHO no time verde e branco, obrigado Eduardo Person, jogador abandonado e quase esquecido que mostrou que não esqueceu do espírito guerreiro necessário pra vestir essa camisa. Finalmente uma vitória, bom seria se o Torcedor,na sua maioria, conseguisse comemorá-la como ela merecia ser comemorada.

E vamos pra próxima, será em Recife-PE. Com as mesmas escolhas? CADÊ A EVOLUÇÃO? QUANTAS OUTRAS VITÓRIAS VIRÃO SEM ESSA TAL EVOLUÇÃO?

Marcos Ortiz